Pages

terça-feira, 8 de março de 2011

Semana de Arte Moderna - 1922



São Paulo, fevereiro de 1922.

    A platéia do Teatro Municpal estava repleta de pessoas que naquela noite saíra de suas casas e agora escutava o nobre senhor Graça Aranha explicar-lhes sobre "A Emoção Estética na Arte Moderna", acompanhado de artistas ainda pouco conhecidos que começavam a se firmar como escritores, músicos, pintores, escultores e desenhistas.
     O tal espetáculo teve a duração de três noites, e foi achincalhado pelos adeptos da poesia parnasiana, que vulgarmente denominava o grupo em ascensão de "futuristas".

------------------------------------------------------------------------------------
.

Um dos pontos culminates desse evento, talvez  tenha se dado durante a segunda noite, com a leituara do poema Os Sapos, escrito por Bandeira e declamado durante o evento por Ronald de Carvalho é um dos textos que marcaram de maneira significativa este período. Repleto de  uma ironia corrosiva à estética parnasiana, o poema tornou-se uma espécie de hino modernista.


Os sapos

Enfunando os papos,
Saem da penumbra,
Aos pulos, os sapos.
A luz os deslumbra.

Em ronco que aterra,
Berra o sapo-boi:
- "Meu pai foi à guerra!"
- "Não foi!" - "Foi!" - "Não foi!".

O sapo-tanoeiro,
Parnasiano aguado,
Diz: - "Meu cancioneiro
É bem martelado.

Vede como primo
Em comer os hiatos!
Que arte! E nunca rimo
Os termos cognatos.

O meu verso é bom
Frumento sem joio.
Faço rimas com
Consoantes de apoio.

Vai por cinquüenta anos
Que lhes dei a norma:
Reduzi sem danos
A fôrmas a forma.

Clame a saparia
Em críticas céticas:
Não há mais poesia,
Mas há artes poéticas..."

Urra o sapo-boi:
- "Meu pai foi rei!"- "Foi!"
- "Não foi!" - "Foi!" - "Não foi!".

Brada em um assomo
O sapo-tanoeiro:
- A grande arte é como
Lavor de joalheiro.

Ou bem de estatuário.
Tudo quanto é belo,
Tudo quanto é vário,
Canta no martelo".

Outros, sapos-pipas
(Um mal em si cabe),
Falam pelas tripas,
- "Sei!" - "Não sabe!" - "Sabe!".

Longe dessa grita,
Lá onde mais densa
A noite infinita
Veste a sombra imensa;

Lá, fugido ao mundo,
Sem glória, sem fé,
No perau profundo
E solitário, é

Que soluças tu,
Transido de frio,
Sapo-cururu
Da beira do rio...


BANDEIRA, Manoel.Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro,
Nova Aguilar, 1986 

Um comentário:

Nikinho disse...

Maravilha as postagens. Muitíssimo feliz por Você ser uma Seguidora do blog Retalhos do Modernismo. Ainda não degustei todo o Teu blog, mas continue nessa linha. Muitas vezes dá um desanimo, mas vale a pena partilhar um pouco da nossa cultura na Net. Caso precise de alguma coisa para Tuas pesquisas e estudos, basta me escrever.
Abraços e:
"ESTEJA E SEJA E FIQUE FELIZ!"
Luiz de Almeida & Blog Retalhos do Modernismo